"Figuras em evidência"

de Ranulfo Pedreiro

"Figuras em evidência"Em pleno reinado conceitual, um artista plástico volta a Londrina após dez anos com um trabalho enfocando questões sociais, temáticas rurais, erotismo e mitologia é uma obra alimentada pelo corpo como espelho de nossa complexidade. As cores são fortes em composições às vezes contraditórias, com proporções manipuladas em favor da ótica pessoal. Figurativo, ele reconhece na imperfeição a subjetividade humana. Na contramão do abstracionismo, João Werner chega a uma Londrina diferente daquela preservada em sua memória sentimental, sem a mesma efervescência nas artes plásticas.

Aqui, teve uma crise durante a adolescência que o levou ao atelier de Henrique Aragão, onde se iniciou na escultura e pintura, Já decidido por gosto pessoal a retratar a figura humana. Em São Paulo, graduou-se na Faculdade Santa Marcelina, emendando um mestrado em Comunicação e Semiótica na PUC/SP. Depois lecionou na UEL, Unopar e embarcou para a Universidade do Vale do Paraíba, em são José dos Campos, onde permaneceu uma década.

Em suas passagens por Londrina, conviveu com Paulo Menten, Henrique Aragão, Letícia Faria, Agenor Evangelista e Yoshiya Nakagawara. Durante um período, fez resenhas sobre a produção regional em um jornal londrinense, levantando polêmicas.

Devagar

"Tenho uma carreira razoavelmente longa em termos de tempo, são 20 anos. Eu não sei se a gente fica com aquele sonho do passado, saí daqui com um crescimento cultural. Voltei e a área cultural está ótima, com teatro, dança, música. Mas nas artes plásticas eu fiquei um pouco decepcionado, está devagar, não sei se É muito subjetivo, mas esteve melhor", comenta.

Tanto que na decisão de voltar para Londrina pesou a antiga agitação vivida pelo cenário, com espaços para exposição, artistas se reunindo em debates e uma interação maior.

De volta à carreira profissional, João Werner Já conseguiu emplacar quadros na Galeria Bahiarte e na Loja Ambientare, além de ser convidado para expor em uma galeria paulistana, em agosto.

Meio desprezado por vertentes contemporâneas, o figurativismo vem ensaiando um retorno ao cenário. "A próxima Bienal de São Paulo vai ter uma sessão, o figurativismo não morre. Acho que temos nomes importantes, como Lucien Freud e Eric Fischl", ressalta.

Mas o posicionamento de Werner não renega o conceitual - seu mestrado enfocou a obra de Mondrian, pintor de linhas em ângulos retos. É, porém, uma resistência quanto ao excesso teórico em detrimento da emoção. "O abstrato e conceitual carecem um pouco de ser humano. É conseqüência do movimento modernista. A técnica foi meio mal vista, é umromantismo, o ser humano teria que se libertar do jogo da técnica para colocar a arte como parte da teoria. Eu discordo, porque a arte tem seu valor próprio. O sensível e o perceptível são essenciais da própria obra de arte", acrescenta.

Analisando as dificuldades do mercado, o pintor prevê uma retomada figurativa. "O artista conceitual ou é professor universitário ou vive de financiamento do governo. O mercado de arte sempre teve resistência com o conceitual porque ele é o avesso da obra como mercadoria. A partir do momento que você pretende ter uma relação com o mercado, o desenho é importante. Antes eu tinha aversão ao aspecto econômico, mas hoje eu sei que ele não pode ser desprezado", acentua.

Sem bula

Com residência fixa em Londrina e um atelier montado no Jardim Piza, João Werner cita Adorno como um dos pensadores favoráveis a obras de difícil assimilação: "Eu penso o contrário, meu atelier antes era uma sala aberta e muita gente entrava para ver o que eu estava fazendo. às vezes entravam crianças de rua. Essa identificação não tem preço. A obra abstrata perde muito porque depende da teoria, mas a interação sem bula é quase impossível".

As críticas não significam desprezo ou aversão, mesmo porque João Werner reconhece obras conceituais como importantes. Mas um incômodo transparece quando o figurativo é enxergado com desdém: "Existe um patrulhamento. Minha obra não se insere no modernismo porque não causa constrangimento nem choca ninguém. O pós-modernismo tem essa conotação de uma arte feita dentro dos padrões clàssicos e que fica no limite entre seriedade e ironia. Meu trabalho está neste limite também. não faço questão de ser considerado um artista moderno, gosto de muitas obras modernistas, mas estou alheio a essa tradição contemporânea da teoria acima da tela".

No lado de fora do atelier, sobre o cavalete, descansa um quadro inacabado, com o título "Clube de Levitação" - em um espaço exíguo, claustrofóbico, quatro figuras levitam. O enquadramento, em terceira dimensão, envolve quem vê. A contradição do vôo aprisionado representa o controle social sobre o indivíduo. "A gente aceita a pluralidade em tantos aspectos da vida, e neste não podemos ser virulentos", conclui, lembrando Picasso: "Tento fazer o círculo mais perfeito, e na diferença com o círculo geométrico, aá estou eu".

Dados da publicação

Matéria publicada no Jornal de Londrina, Caderno de Cultura, página 4c, 31/03/2004, Londrina (PR).

Outros textos sobre a arte de João Werner

Textos de críticos de arte

Reportagens e matérias jornalísticas

Ensaios poéticos e apresentações de exposições

Livros de João Werner
à venda

Capa do livro "A figura na Comunicação Visual"

"A figura na Comunicação Visual"

Mais informações sobre o livro.
Kindle Amazon: R$ 38,37.

Capa do livro "A Terra e o trabalho com a Terra"

"A Terra e o Trabalho com a Terra"

Livro de arte com a reprodução de 34 pinturas cuja temática é o sagrado trabalho com a Terra. . São pinturas a óleo, acrílica e digitais, realizadas desde 2002.

Livro impresso, R$ 55,41.

Capa do livro "Mesa de bar"

"Mesa de bar"

Livro de arte com a reprodução de 32 pinturas a óleo, acrílicas e digitais sobre o cotidiano da vida citadina.

Livro impresso, R$ 55,41.

Capa do livro "Esculturas e relevos"

"Esculturas & relevos"

Reprodução de 48 fotografias de esculturas em cimento, madeira, ferro fundido, argila e gesso.

Livro impresso, R$ 58,06.

Capa do livro "Et in Arcadia Ego"

"Et in Arcadia Ego"

Reprodução de 39 pinturas a óleo, acrílicas e digitais de sátiros e ninfas.

Livro impresso, R$ 61,14

Capa do livro "Motel barato"

"Motel barato"

Livro de arte com a reprodução de 36 pinturas a óleo, acrílicas e digitais sobre o tema do erotismo e sexualidade.

Livro impresso, R$ 58,06.