"Cores da crueldade"

de Fábio Luporini

Jornal de Londrina O equilíbrio entre as dores do mundo interior e as atrocidades do mundo exterior está representado em figuras polêmicas e coloridas, características do artista plástico João Werner. Ele expõe 17 pinturas digitais ao lado de cinco obras do filho, Felipe Werner. A exposição fica em cartaz até 20 de dezembro na galeria do Centro Comercial. "É uma mistura de transpor o mundo interior e também parte da sociedade", explica João Werner. (à esq., página do Jornal de Londrina).

Expressão

O próprio artista define como "uma forma de expressão" da linguagem que ele considera dominar. "A exposição não tem nada de alegre, só a linguagem que é de história em quadrinhos, meio colorida", diz.

Entretanto, todo o resto gira em torno da tragédia humana. Como no caso da obra Susane, que retrata o caso de Suzane Louise von Richthofen, em que a própria filha teria arquitetado e executado o assassinato dos pais.

João Werner não quer, garante, fazer qualquer julgamento, embora a Suzane da vida real esteja presa pelos assassinatos. "Tenho receio de embarcar nessa onda de fulano ser culpado. Pergunto sempre qual o outro lado da história? Acho que tenho alma de jornalista, de querer saber o outro lado. Pergunto-me qual terá sido a motivação, pensando sempre no acontecimento trágico", ressalta.

Retrato

Jornal de Londrina O retrato Susane mostra a protagonista em primeiro plano, com os pais mortos numa cama, em segundo plano. "Como se naquele instante tivesse caído a ficha".

Para o artista, as pinturas são formas de expressar seus próprios sentimentos de dor e insatisfação com a realidade cruel. "Alguém disse uma vez que 'não pode ser sã uma pessoa perfeitamente ajustada num mundo injusto'", argumenta.

Inquietudes

São todas inquietudes próprias. "É um fato de se ter sensibilidade, infelizmente. Gostaria de não ser assim, porque a gente sofre muito e se irrita muito. Quando vejo alguém na rua pedindo esmola, isso me traz muita dor. Se eu fosse mais insensível, sofreria menos." (à direita, página do JL na internet).

Nessa exposição, o filho de João Werner trilha um pouco o caminho do pai, tanto na pintura digital quanto na temática polêmica. Estudante de Desenho Industrial da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Felipe Werner se forma ano que vem.

Dados da publicação

Matéria publicada no Jornal de Londrina, Caderno "Cultura", 3 de novembro de 2013, pp. 17, Londrina (PR).

Outros textos sobre a arte de João Werner

Textos de críticos de arte

Reportagens e matérias jornalísticas

Ensaios poéticos e apresentações de exposições

Livros de João Werner
à venda

Capa do livro "A figura na Comunicação Visual"

"A figura na Comunicação Visual"

Mais informações sobre o livro.
Kindle Amazon: R$ 38,37.

Capa do livro "A Terra e o trabalho com a Terra"

"A Terra e o Trabalho com a Terra"

Livro de arte com a reprodução de 34 pinturas cuja temática é o sagrado trabalho com a Terra. . São pinturas a óleo, acrílica e digitais, realizadas desde 2002.

Livro impresso, R$ 55,41.

Capa do livro "Mesa de bar"

"Mesa de bar"

Livro de arte com a reprodução de 32 pinturas a óleo, acrílicas e digitais sobre o cotidiano da vida citadina.

Livro impresso, R$ 55,41.

Capa do livro "Esculturas e relevos"

"Esculturas & relevos"

Reprodução de 48 fotografias de esculturas em cimento, madeira, ferro fundido, argila e gesso.

Livro impresso, R$ 58,06.

Capa do livro "Et in Arcadia Ego"

"Et in Arcadia Ego"

Reprodução de 39 pinturas a óleo, acrílicas e digitais de sátiros e ninfas.

Livro impresso, R$ 61,14

Capa do livro "Motel barato"

"Motel barato"

Livro de arte com a reprodução de 36 pinturas a óleo, acrílicas e digitais sobre o tema do erotismo e sexualidade.

Livro impresso, R$ 58,06.