Pinturas ilustrando 31 poesias em 2011

Dezembro

Blog "Bondelektra"

2011, dezembro 28 - Minha pintura digital "Pescador" foi exibida no blog Bondelectra and wine, ilustrando a poesia "Barca bela", de Almeida Garrett.

"Pescador da barca bela,
Onde vais pescar com ela.
que é tão bela,
Oh pescador?

não vás que a última estrela
No céu nublado se vela?
Colhe a vela,
Oh pescador!

Deita o laNão com cautela,
Que a sereia canta bela...
Mas cautela,
Oh pescador!

não se enrede a rede nela,
Que perdido à remo e vela,
Só de vê-la,
Oh pescador.

Pescador da barca bela,
Inda é tempo, foge dela
Foge dela
Oh pescador!"

Blog "Meus sonhos de vida"

2011, dezembro 13 - Minha pintura à óleo "Forró" foi exibida no blog Meus sonhos de vida, ilustrando a poesia "Hoje é dia do forró!".

Quem não se balança
Quem não se sacode
Quem não cai na dança
Hoje aqui
Nessa brincadeira
Nessa tremedeira
Quero vê poeira subir
O tingue-tingue do triangulo
No ronca-ronca da sanfona
No tungo-tungo do zabumba vem ver
Nessa brincadeira
Nessa tremedeira
Quero vê poeira subir
Hoje é dia de folia
Hoje é dia de forró
Tem xamego a noite inteira
Nunca vi coisa melhor

Novembro

Blog "Le Monde"

2011, novembro 18 - Minha escultura em resina "Amantes", foi exibida no blog "Le Monde Dans Mes Yeux", ilustrando a poesia "Terra prometida", de Márcio Ferraz.

Em cada fio de cabelo
Deslizando em minhas mãos
Tenho de ti a melhor sensação
No brilho do teu olhar
Eu me rendo completamente

Como uma manhã luminosa
Uma questão de sentimento
Quem sabe você sinta
No seu coração
Tudo que tenho para lhe dar

Paixão, calor e afeto
Campos verdes me levam até você
Lendas e tradições
Sorria cada sorriso vale a minha vida
Coloque seu maior desejo, eu amarei

Sem sonhos não há realidade
Isto é tudo um resumo da felicidade
Tentando apenas não pensar
A minha terra prometida em ti
O melhor preço é aquele que pagamos com amor
Fique comigo está noite.

Blog "Gel ia General"

2011, novembro 12 - Minha pintura digital "Mesa de bar" foi exibida no blog Geleia General, ilustrando a poesia "Da madrugada de sábado para os boêmios da sexta", de Herculano Alencar, postado por Clóvis Campello.

O gelo a derreter minha tristeza
no copo de uísque.. a solidão...
a derreter o resto de ilusão
que senta, frente a mim, em outra mesa.

Garrafas, sob o tom azul turquesa
do teto deste bar sem freguesia,
parecem conhecer a melodia
em que minh'alma ainda vive presa.

Um bêbado, solene, anuncia
alguma coisa sóbria e esvazia
o copo que dormiu a noite inteira.

E eu olho pro gelo e vejo a lua,
que se escondeu de mim na mesma rua
em que o sol brilhou na sexta-feira.

Outubro

Blog "Too young to die"

2011, outubro 13 - Minha pintura digital "Homem na sarjeta" foi exibida no blog TooYoungToDie, ilustrando a poesia "Sargeta".

"Você não pode sentir o que não pode tocar.
Ou pode tocar aquilo que não sentirá?
Como pode, saber o gosto amargo do que nunca tocou sua boca?
Atravessar a ponte inexistente.
Cobrar o que ninguém tem.
Sentir o aroma dos perfumes que não foram fabricados.
Isso é o que te mata por dentro, mesmo sem existir sequer 1 lâmina a te cortar.
Os amigos se foram, mesmo sem um motivo material.
Tudo o que diziam é que ele fora uma besta carnal.
E a sequela ficou, a cicatriz não fechou.
Aonde está o câncer que não te matou?
Aonde está você agora? Só dentro de ti ele te achou.
E de que importa, se nada te apavora?
O tanto que quis, e nada conseguiu.
às a prova viva de que a ruína só chega, aqueles que tem bom coração.
A sarjeta, é claro, será pra sempre o seu novo habitat."

blog escritos de lucinda

2011, outubro 06 - Minha pintura à óleo "Trouxa de roupa" foi exibida no blog Escritos de Lucinda, ilustrando a poesia "Maria, a doida".

Quem foi que te disse que aqui tem pouso
Vai-te daqui com seus molambos encardidos
Quem sabe seu Benedito se apieda de ti
Te empresta o paiol para uma noite dormir.
Maria se vai com seus teres em trouxa
Gingando seu corpo, gordo, sujo, imundo!
Cai aqui, se levanta pra cair, mais suja ficou!
Olhos de rosto que o tempo deu um tapa, coitada.
Mãe, pai ninguém sabe quem são, que importa?
Diz nascida de uma noite de tormenta, agonia.
Não teve amor, logo não sabe do que se aventa
Coitada da Maria, tão gorda, tão suja, tão só.
Janelas e portas se fecham quando aponta Maria,
Menino corre pra dentro que lá vem Maria
Maria da Glória, do Carmo, de Fátima?
Quem é Maria? Ninguém sabe não.
Seu Benedito não acolhe pra noite de chuva
Maria de não sei o quê, só sabem que é louca, do da?
A chuva engrossa, o céu desmorona, trovôo,
Na cabeça de Maria a trouxa se rompe, estrondos.
Coitada da Maria carrega dolente... Expia,
Pesadamente a saga de suas Marias...
A visão se turva ,o corpo fraqueja ,geme
Seu cão late sentido, dorido, urgente.
Na beira da estrada por chuva lavada, cavada
Encontram Maria amontoada na vala
Vala da vida, seu leito de morte
Morre Maria! Coitada, sozinha!
Quem foi que morreu?
Ninguém não... Foi apenas Maria,
Maria? Maria? O que é Maria?

Blog "Olasmos"

2011, outubro 05 - Minha pintura digital "Moça nua" foi exibida no blog Olasmos, ilustrando a poesia "Doação".

"Recebe meu sexo aberto
disposto para o teu
meu corpo posto para teu favor
meu amante, meu amado
numa cópula sagrada
vibrante, úmida e intensa
iremos nos assossegar."

Agosto


2011, agosto 18 - Minha pintura digital "Parada de ônibus" foi exbida no blog A arte de poetizar, ilustrando a poesia "Das cenas do dia…".

pressa
porta
na cara
do passageiro

não passou
do passo
sem de
grau


2011, agosto 08 - Minha pintura digital "Homem na sarjeta" foi exibida no blog Vermelho em negro, ilustrando a poesia "isso q' É ]ou tem[ fastio...".

As F'alTo
AR
RA-lo
ELO
b'oca fr'ia
...fome morta
sarjeta!
so-
c
o
r
r
o
jamais...
não haveria
não haverá
não há verão
isso q' É
]ou tem[ fastio

Julho

Blog "RELB-losofando"

2011, julho 15 - Minha pintura digital "Mesa de bar" foi exibida no blog RELB-Losofando, ilustrando a poesia "Um chope - uma mesa".

"Um chope
Uma mesa
E seu olhar perdido
E sua boca presa

Uma hora pro almoço
é o tempo
Do recreio do teu mirar
Que confessa o cansaço que teve
De tudo que teve de olhar

Que busca
No infinito que Já cansou dele
Qualquer coisa
Por que valha lutar

Um chope
Uma mesa
E seu olhar perdido
E sua boca presa"

Junho

Blog Sutil Desvario

2011, junho 17 - Minha pintura digital "Homem na sarjeta" foi exibida no blog Sutil desvario ilustrando a poesia "Ébrio".

O sol queima como se fosse sumir.
Quem sabe apagar como um cigarro que chega ao fim.
O dia nunca fora tão estranho à minha alma.
Como minha própria alma à mim.
Sob a calçada suja me recolho.
Ébrio... Não recordo quem sou.
Ébrio é que vejo... A vida é triste.
Pensei que fora livre!
Repouso a cabeça sob uma pedra qualquer.
Uma como minha vida fora!
Uma como os desejos que esqueci.
E aqueles amores que jamais vivi.
Me arrependo e choro as lágrimas que ninguém vê.
Sozinho... Como a pedra que encontrei aqui.

Blog "Pescador de pensamentos"

2011, junho 15 - Minha gravura digital "Sátiro entre cogumelos" foi exibida no blog "Pescador de pensamentos", ilustrando a poesia "Errando demasiadamente errando", de autoria de Adriano C. Tardoque.

necessário.
Experiencia,
Contraditório,
Vivência.

Consciente,
inconsciente,
humano,
demasiadamente!

Quantas vezes o tempo me permite errar?
Quantas chances terei eu de tirar proveito,
Das escolhas que faço, ou tenho desfeito,
Na insanidade mestra do "ter que acertar"?

Pois se me for negada, a faculdade do erro
Abre alas, então, para o carro fúnebre passar,
Convoca os músicos negros para o jazz, tocar,
E abre a cova funda, para meu enterro.

Blog "Imagens, poesias e informações"

2011, junho 14 - Minha pintura à óleo "Carregadores" foi exibida no blog "Imagens, poesias e informações", ilustrando poesia de Bertold Brecht. Postado por Maria José Speglich.

"Quem construiu Tebas, a das sete portas?
Nos livros vem o nome dos reis,
Mas foram os reis que transportaram as pedras?" (fragmento)

Blog "Milton Martins"

2011, junho 09 - Minha gravura digital "Mesa de bar" foi exibida no blog "Milton Martins & Temas Livres", ilustrando a poesia "Poeta beberrão", de Milton Martins.

Ah ! poeta falsificado
triste e doido beberrão;
rei da histeria tola
o que pensas da poesia ?
Julgas que diante dos copos ,
da garrafa vazia,
encontraras a musa do amor ?
enganado estás meu caro medíocre !
a musa imaculada que buscas,
aquela que o verdadeiro poeta canta,
não está no brilho d'uma garrafa,

Ilustre beberrão !
Porque a musa doce e bela
a pura e límpida impressão,
é a alma limpa que chama
é o espírito são que revela...
Ilustre beberrão.

Maio

Blog "As idéias de um Renato"

2011, maio 25 - Minha gravura giclée "A vida, etílica, é muito melhor" foi exibida no blog "As ideias de um Renato", ilustrando a poesia "Dona de mim", de autoria de Renato Souza:

você me deixa louco, me tira do sério
Me faz perder a cabeça
Fazer e dizer coisas que sem ti nunca faria, nunca diria
Me torno outro junto de ti
Somos uma dupla e tanto
Mas no fim sou eu quem sempre leva a pior
Acordo largado, jogado num canto
Sozinho
Me deixa pra três, se esquece de mim
E mesmo assim eu volto, procuro novamente seus braços
Seu colo quente a me acolher
Me pede para entrar e sem pudor algum eu te possuo
Submissa
Me deixa no controle
Me engana
Sou teu dono e você na espreita, louca para virar o jogo
E vira
Me vence
Me deixa prostrado, caído, humilhado no chão
Aos seus pés, suplico mais um dose
E você me rejeita
T o dona de mim
Me coloca na cama e às vezes nem nela, nunca canto no chão frio ou no desconfortável sofá da sala
E eu acordo ainda sonado, aos prantos, com a cabeça a explodir
Sozinho, ainda sob seus efeitos
Defeitos
Levanto
Juro nunca mais te procurar
Sou fraco
No mesmo dia Já estou lá, de quanto a sua espera
Sempre rainha, soberana e dona de mim
Mais uma dose, é claro que eu estou a fim
Seco a garrafa para fugir e lá é você quem eu encontro
E isso se torna um circulo vicioso
Eu fugindo e te encontrando
você me ignorando e me aceitando
E eu jurando nunca mais me embriagar.

Blog "Iara poesia"

2011, maio 23 - Minha pintura digital "Mesa de bar" foi exibida no blog Iara poesias, ilustrando a poesia "Amigo?".

"Boa noite amigo Pedro,
Quanto tempo não te vejo.
Tem noticias de Maria?
Sofro toda noite
Sem a sua companhia

Ainda ontem eu a vi
Linda como sempre
Cabelos soltos,
Olhos brilhando,
Mas não perguntou por ti.

Ela não disse nada,
Que sente saudades minhas,
Que gostaria de me ver,
Ou se chegou a me esquecer?

Sinto amigo António,
Mas Maria estava bem,
Conversamos longo tempo,
não falou teu nome
E me chamou de "meu bem".

Eu sabia amigo Pedro,
Que isso ia acontecer
Ia chegar o dia
Que minha linda Maria
Ia deixar de me amar.

Sei que é triste amigo António
Mas isso às vezes acontece
Uma briga, uma discussão
Machuca o coração
E o amor assim falece

Eu sei, isto é verdade
Agora Já é tarde
Perdi a mulher que amava
Só me resta desejar
Que encontre alguém pra amar

Amanhã a continuação desta história contada em poesia, voltem viu?
Beijos com carinho."

Blog "Poeta de rua"

2011, maio 23 - Minha pintura digital "Homem na sarjeta" foi exibido no blog Poeta de rua, ilustrando a poesia "Sobre a paixão".

"A paixão é como a embriaguez.
Alguns tanto a ela se entregam,
que acabam por acordar na sarjeta.
Ainda assim,
quem dera acordássemos
todos os dias nessa condição..."

Blog "Lusofonia poética"

2011, maio 05 - Minha pintura acrílica "Semeador" foi exibida no blog Lusofonia poética, ilustrando a poesia de Miguel Torga.

Na terra negra da vida,
Pousio do desespero,
É que o Poeta semeia
Poemas de confiança.
O Poeta é uma criança
Que devaneia.

Mas todo o semeador
Semeia contra o presente.
Semeia como vidente
A seara do futuro,
Sem saber se o chão é duro
E lhe recebe a semente.

Blog "Momentos liter rios"

2011, maio 04 - Minha pintura digital "Mesa de bar" foi exibida no blog Momentos literários, ilustrando a poesia "Poema tirado de uma notícia de jornal", de Manuel Bandeira.

"João Gostoso era carregador de feira livre e morava no morro da Babilônia num barracão sem número
Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro
Bebeu
Cantou
Dançou
Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado."

Republicado de: 2010, março 25, no blog de Bruna Marques.

Abril

Blog "Rua das pretas"

2011, abril 21 - Minha escultura "Maternidade" foi exibida no blog "Rua das Pretas", ilustrando a poesia "Arte poética" de Antônio Ramos Rosa:

Se o poema não serve para dar o nome às coisas
outro nome e ao seu silêncio outro silêncio,
se não serve para abrir o dia
em duas metades como dois dias resplandecentes
e para dizer o que cada um quer e precisa
ou o que a si mesmo nunca disse.

Se o poema não serve para que o amigo ou a amiga
entrem nele como numa ampla esplanada
e se sentem a conversar longamente com um copo de vinho na mão
sobre as raízes do tempo ou o sabor da coragem
ou como tarda a chegar o tempo frio.

Se o poema não serve para tirar o sono a um canalha
ou ajudar a dormir o inocente
se é inútil para o desejo e o assombro,
para a memória e para o esquecimento.

Se o poema não serve para tornar quem o lá
num fanático
que o poeta então se cale."

Março

Blog Diário de um deprimido

2011, março 23 - Minha pintura digital "Homem na sarjeta" foi exibida no blog Diário de um deprimido, ilustrando a poesia "Eu quero".

Ficar bêbada..dormir na
calçada...esquecer que o mundo
existe... não ter responsabilidade sobre
nada, nem ninguém...

Não ouvir minhas próprias palavras, que de nada adiantam diante de ouvidos cegos.

Quero acordar ao meio dia...
Dormir a meia noite...
E não ver o tempo passar!

Não assistir ao repórter...
Não lavar a louça...
E não saber o que é que há!

Quero que o mundo se exploda...
Pra que no dia seguinte não seja obrigada
a me levantar...

Quero cometer matricídio...
"Filhocídio"...
Suicídio...
Lavar a alma...
E descansar!

Quero o sabor da vingança...
Do arrependimento...
E do recomeçar!

Quero minha alma afogar...
Meus desejos saciar...
E voltar a poder me doar!

Blog Marlos Ross

2011, março 16 - Minha pintura à óleo "Boteco" foi exibida no blog Marlos Ross, ilustrando a poesia "De ontem em diante".

De ontem em diante serei o que sou no instante agora
Onde ontem, hoje e amanhã são a mesma coisa
Sem a ideia ilusória de que o dia, a noite e a madrugada são coisas distintas
Separadas pelo canto de um galo velho
Eu apóstolo contigo que não sabes do evangelho
Do versículo e da profecia
Quem surgiu primeiro? o antes, o outrora, a noite ou o dia?
Minha vida inteira é meu dia inteiro
Meus dilúvios imaginários ainda faço no chuveiro!
Minha mochila de lanches?
é minha marmita requentada em banho Maria!
Minha mamadeira de leite em pé
é cerveja gelada na padaria
Meu banho no tanque?
é lavar carro com mangueira
E se antes, um pedaço de maçã
Hoje quero a fruta inteira
E da fruta tiro a polpa... da puta tiro a roupa
Da luta não me retiro
Me atiro do alto e que me atirem no peito
Da luta não me retiro...
Todo dia de manhã é nostalgia das besteiras que fizemos ontem


2011, março 10 - A poeta Clevane Pessoa escreveu o poema "Historiazinha de amor", inspirada pela minha exposição "Motel barato".

Mulher que foi botão de rosa , filha de mãe carinhosa
e pai que não foi machista
cuidada, orientada, bonequinha mimada.
casa-se com brutal perseguidor
o que persegue- a- dor
com prazer,
para subjugá-la.
Marca-a com ponta de cigarro,
chuta-lhe a barriga prenhe
e ela perde o rebento,
arrebentada.
Foge na madrugada.
Chove,ela escorrega, fere os joelhos, torce o pé.
Moço bonito oferece ajuda.
leva-a ao motel barato.
Limpa-a, banha-a, com mágicos dedos de prestidigitador
- o -que afasta a dor-
e lhe faz amor.
Depois disso, convida-a para ser modelo vivo, tela viva
e os dois trabalham numa vitrina
onde trocam olhares apaixonados.
Depois,quando a loja do prazer se fecha, ali em Amsterdã, para onde fugiram
por temer represálias do carrasco, ele a leva ao motel barato
-pois ainda não têm um lar-
e retira toda a sua arte naquela pele de seda.
Cria outra, invisível aos olhos comuns, com os dedos de criador,
o que anulou a dor,
Agora, esse espaço encardido , com puídas cortinas
pink ,azulejos amarelados e pretos no rejunte, e cheiros fortes
é agora,o paraíso,
de um grande amor, retrato
e nem parece um motel barato...

Blog "A mansão de miss Katrina"

2011, março 09 - Minha pintura digital "Homem na sarjeta" foi exibida no blog A mansão de miss Katrina, ilustrando a poesia "O pagamento", de Katrina de Salem.

"Nada tenho! Brada o tolo
Remexendo-se na lama
Toda vida desgraçou
Com vícios e parvoíce

Fez os queridos chorarem
Fez dos excessos a lei
Nas noites tornou-se luxúria
Nos dias era avareza

Mas sábio é o tempo!
Que lhe tomou a beleza
Deu-lhe em troca a velhice
E um bom punhado de dores

O viril grosseiro e prepotente
Amanhã é um cão na sarjeta
Gritando: Nada tenho na vida!
Como o mais infeliz miserável

Todavia vem a morte lhe tocar
-Te enganas meu caro amigo
Ainda tens o trançado de tripas
Que te dão a imerecida vida-

As lágrimas que caem hoje
são por descuido e vulgaridade
Feliz aquele que do mundo se guarda
Pra dele não partilhar essa paga."

Blog "Artes e escritas"

2011, março 01 - Minha gravura digital "Enxugando os cabelos" foi exibida no blog "Artes e escritas", ilustrando a poesia "Nudez" de Yayá.

Pegar gravetos como se peixes fossem
Ao mar. Recolhe avencas em infusão,
Aquece ao estar sem horas visando montes,
Em águas mornas, doces sais de imersão.
Paixão d'uns anjos nus nas preces desse ontem,
Aguarda e banha-se em ato de oração
Da seiva em flor, na busca da ultimação
D'amor fiel numa indizível corte.
Da sorte, nada diz e cala-se a fonte
Em gesto pródigo, fineza e perdão
Na fé que roga, implora e nega um afronte.
Que seja um banho preguiçoso. não conte
Ao mal das águas dessa libertação
E faz desfeita a mágoa no horizonte.

Fevereiro

Blog "Viagem ao centro da tela"

2011, fevereiro 21 - Minha gravura digital "Ninfas dançando" foi exibida no blog "Viagem ao centro da tela", ilustrando a poesia "Ritmo e sintonia" de Ermes Le Fou.

Em um instante ela começa
e Já não sou mais quem eu era antes.
Perco os sentidos, me descontrolo.
Eu canto, daNão, me liberto.
O mundo a minha volta se transforma
diante de meus olhos como que por mágica
e a energia começa a fluir de todos os lados.
Todos meus movimentos parecem ganhar vida própria.

não sei por quanto tempo ela se estende.
Cinco, dez, vinte minutos...
Isso realmente não importa.
Ela vai me dominando como quem não quer nada
e logo toma controle de todo meu ser.

O som se torna cada vez mais alto e me pergunto
se ele vem do mundo para mim, ou de mim para o mundo.
O som se torna cada vez mais alto e é delirante a sensação de liberdade.
Liberdade essa que me entrego sem medo, sem pensar...

Tudo é vibração, tudo é ritmo
Tudo é energia, tudo é cinética
Tudo se interliga
Sou o ar, sou o som, sou o céu, sou o chão.
Como um balaço que vai perdendo a força
Ela vai diminuindo o ritmo até cessar...
Aos poucos retorno ao meu corpo.
Meu espírito encontra o caminho de casa.
A realidade retoma sua harmonia costumeira
e eu mal posso esperar para retomar a minha harmonia!

Blog "Luso poemas"

2011, fevereiro 21 - Minha pintura à óleo "Amantes II" foi exibida no blog Luso-poemas, ilustrando a poesia "Eu queria ser".

Eu queria ser um poema.
Até poderia ser mudo;
mas de cariz bem depravado,
para não importar-me
com o que a más línguas
viessem a falar de mim.

Divertir-me-ia com elas.
Pudicas horrorizando-se
comigo, eu fazendo sexo
num amor despudorado
numa vitrine de shopping

Queria mostrar toda verdade
e liberdade das posições
numa cama; sem hipocrisia,
sem censura as exposições.

E sorrir das caras atônitas,
vendo-me em performances
como se fora um grande artista.

Queria ser um poema picante,
ou um amante de amor freelance.

Eu queria ser um romance...

Blog "V u"

2011, fevereiro 09 - Minha pintura digital "Frigobar incluído" foi exibida no blog Véu atelier teatral, ilustrando poesia.

a noite, como outras, joga seu manto
infinita como tantas
tanto quanto

Janeiro

Blog "do Bourdokan"

2011, janeiro 30 - Minha gravura digital "Homem na escuridão" foi exibida no "Blog do Bourdoukan", ilustrando o texto "Ecce Homo", do autor.

A humanidade é uma ave de asas partidas
Que vaga no Universo rumo ao desconhecido
Em busca de um sentido para a vida.

Tem o alucinado por guia.

Navega uma rocha movida pela soberba,
Pela arrogância e pela paixão.

O eu é, o ele não é. Um louvor à imperfeição.

A humanidade é um espelho embaçado
Alimentado pelo desespero e pela incerteza.

Fome e ódio não permitem pensar no amanhã.

A natureza não cria indigentes.

O destino, uma profundidade insondável,
Uma porta da qual só você tem a chave.

Do destino, homem algum escapou.
Nada é definitivo, nem a morte.

Vontade de viver, vontade de poder,
Eis a verdadeira dimensão do homem
Para atingir o eterno e superar o infinito.

Maior que o infinito menor que o imenso.

Procure o intermediário entre o
Saber e o ignorar e terá
O invisível sustentando o visível,
A essência superando a existência.

não há limite para o possível.
Saber questionar é viver,
Aceitar o dogma é anular-se.

Quem pode entender a razão humana?

O homem é algo que precisa ser superado.
Brutalidade e ganância movem o planeta.
O homem animal doméstico do homem.

O que é o homem?

Ele é aquele que troca a alma pelo lucro
Ignorando o que a história ensina.

Onde houver opressão haverá Revolução
Eis o Homem.

Blog "Ensaios sobre a poesia"

2011, janeiro 17 - Minha pintura digital "Amantes IV" foi exibida no blog Ensaios sobre a poesia, ilustrando a poesia "Abrigo".

Teu corpo é meu abrigo
Entre laços e abraços
Afago e carinho
Meu ninho...
Onde encontro a paz
Relaxo meu corpo, cansado
Da luta, da vida...
Mãos fortes me acariciam
As bocas quentes se saciam
Abrigo
Teu coração é meu abrigo
Entre águas e ventos
Puro sentimento
Sou mais eu contigo...

Blog "favela Diodatti"

2011, janeiro 16 - Minha pintura digital "Homem na sarjeta" foi exibida no blog Favela Diodatti, ilustrando a poesia "Conformidade", de Rimbaud.

Estou tão feliz
Por Navegar neste monte de merda!
Muito obrigado
Pela saborosa catarrada
Qu'escorre pela minha face.

Sua bota acerta meu fígado
Mas eu tenho forças para cantar:
A vida é bela
Não há do que reclamar.

Um momento senhor explorador!
Deixe-me limpar o suor da tua tez
Pronto! Continue a nos fustigar!
Isso! Agora vê e violente minha mulher...

Depois de tudo isso
Deixe quê eu explodo os miolos mortos
De minha vazia cabeça.