Pinturas ilustrando 33 poesias em 2010

Dezembro

Gravura digital 'Ninfas dançando'

2010, dezembro 30 - A poeta Clevane Pessoa escreveu uma poesia inspirada nestas minhas Ninfas dançando:

Trilogia, tríade, trio de mulheres gráceis, as três graças
não se tornem des/graças,
mas promessas de fertilidade
e possam chamar a chuva.
Sempre no gerúndio, en/cantando,
dançando,
atraindo,
num continuum de graciosidade.
Mulheres atemporais, gregas, romanas, egípcias
wiccanas, indígenas, hodiernas a celebrar a liberdade de ser.
A música, cada um Ouça a que soa, ressoa
em seu self , em seu coração e alma
e vibre através dos poros.
A música ensinada às criaturas
pelo movimento das águas,
pelo tatalar das asas,
pelas travessuras da brisa,
pelo ritmo do capim e do trigo,
pela viagem incessante das nuvens grávidas
ou engravidando,
é um presente :
basta seguir um ritmo e dar vazão à alegria
de estar para ser,
vivo e resiliente...

Blog "Arrepare"

2010, dezembro 08 - Minha pintura digital "Mesa de bar" foi exibida no blog Arrepare, ilustrando a poesia "No bar com um poeta", de autoria de Jessé Costa.

"- Seu poeta, gente fina,
Só tu podes me salvar
O caso é que dei pra amar
A uma linda menina
Mas eu não quero essa sina
Pois tenho medo, senhor,
Que amor anda co'a dor
E dor só machuca a gente
Por isso me oriente
Pr'eu me livrar desse amor

- Meu amigo sofredor,
Matar um amor é fácil
Tu só tens que ir ao Lácio
E procurar pela flor
Que seja preta de cor;
E assim que a encontrar
Faça um chá, deixe esfriar
E tome num gole só
Que então desfaz-se o nó
E tu deixas de amar!

- Vije! ó, deixa pra lá...
Que viagem da mulesta
não tem forma mais modesta
Pra se deixar de amar?
- Tem outra quê se matar
Mas essa nº tão correta
Tem também a outra seta
Que foi o que me ocorreu
O meu amor só morreu
Quando dei pra ser poeta!

Pegue o amor que te afeta
Sacuda ele no chão,
Faça dele inspiração
Pra qualquer coisa concreta
Invente de ser poeta,
Seresteiro ou pintor
Só não deixe esse tumor
Inchar no seu coração;
Porque senão, cidadão,
é tu que morre de amor!"

Outubro

Blog "Bacanal"

2010, outubro 26 - Minha pintura acrílica "Homem e natureza" foi exibida no blog "Bacanal - O canal dos Bacantes", ilustrando a poesia "Ipso colore", de Marcelo Farias.

"O próximo instante é incolor
poderá ser colorido
ou ficar mesmo sem cor "

Setembro


2010, setembro 30 - Minha gravura digital "Escolhendo feijõ3s" foi exibida no site "Recanto das Letras", ilustrando a poesia "Vida em bula" de Jorge Luiz da Silva Alves:

"O escopo de minha existência gradua-se no colorido das tarjas ou na posologia das horas: manhã, drágeas; tarde, gotas; noite, xaropes. Um pico mal dado e, se ao invés de capturar veias romper artérias, o estertor significará o epílogo do sofrimento e o início do alívio. Na pior das hipóteses, estação de transferência para a Linha Negra das penitências.
O alvo do meu sofrimento será atingido pela rombuda seta da fraqueza interior é construído que fora por minha alma dissoluta...
...e pelo total desrespeito ao meu corpo!"

Blog Arroto de pequi

2010, setembro 30 - Minha pintura digital "Mesa de bar" foi exibida no blog Arroto de pequi, ilustrando a poesia "Caboclo tá manso".

Eu que não só Chico
Caboclo de responsa
não causo rebuliço
Dinheiro, não tenho,
Mulher se foi ...

E você não vê sofrer de amor
Por mais forte que seja

E se tudo acabou
não há razões para esquecer
A tristeza e o amor

Todos os poemas endereçados a ti,
As mandingas de amor,
O amor colocado em prova
Mal inflacionaram os sentimentos

Vou abusar das bebidas
Por que talvez ébrio
Tragam momentos de esquecimentos
E deslembraças

Blog "Hana Haruko"

2010, setembro 18 - Minha pintura acrílica "Florista" foi exibida no blog "hana-haruko", haikai de Haruko:

"O sol beija as níveas
florezinhas encantadas:
noivas, primavera."

Blog "Hana Haruko"

2010, setembro 18 - Minha pintura acrílica "Florista" foi exibida no blog "hana-haruko", ilustrando poema de Clevane Pessoa:

"Encantada e inquieta com o mistério e as promessas das sementes,
Haruko , que traz no nome o milagre da floração,
planta, depois de revolver a terra marrom
e adubá-la diariamente de forma orgânica,
com cascas e raspas,
um punhado delas,um presente,
do que não conhecia a origem.
Revi ao sol, a meninota estender a mãozinha gorducha:
_Toma Haruko, é para plantar...
E ela o fez.
Seu suor, em pérolas líquidas, também caça ao solo
quando trabalhava
as inchadas sementinhas e seus embriões, prestes a brotar.
E uma vez chorava enquanto cantava
-pois não é que beberam tudo que ela externava com o coração ferido
por alguém que tinha partido?
E a magia da germi/ação continuava:
tegumento, endosperma, óleo, amido, proteínas.
Brotos brotaram em direção à luz.
Uma festa de verdes.
E agora, entra setembro e o ciclo se inicia:
níveas flores se abrem, todas juntas,em celebração irmanada.,
Haruko tem agora, completamente encantada
-e encantadora- sua primavera particular!"

Blog "Maracuja com açúcar"

2010, setembro 20 - Minha gravura digital erótica "Trio de amantes" foi exibida no blog "Maracujá com açúcar", ilustrando a poesia "Pica-flor" de Gregório de Matos, postado por Nina Sampaio.

"A uma freira que satirizando a delgada
fisionomia do poeta lhe chamou "Pica-Flor".
Se Pica-Flor me chamais,
Pica-Flor aceito ser,
Mas resta agora saber,
Se no nome que me dais,
Metei a a flor que guardais
No passarinho melhor!
Se me dais este favor,
Sendo só de mim o Pica,
E o mais vosso, claro fica,
Que fico então Pica-Flor."

Blod D sopiler

2010, setembro 02 - Minha pintura à óleo "Menina escolhendo feijão" foi exibida no blog désopiler, ilustrando a poesia "obturação".

cuidado com a pedra no feijão...

Agosto

Blog do Soane

2010, agosto 23 - Minha pintura à óleo "Lavadeiras" foi exibida no Blog do Soane, ilustrando a poesia "Samba no tanque".

Dança lavadeira
Samba no tanque
Hoje é sexta-feira
você vira sereia
Pelo menos um instante

Lava camisa e a calça do patrão que
Domingo é dia de pedir a comunhão
Dança lavadeira
Samba no tanque
O que quintal é sua casa
E o terreiro o seu palanque
você vira sereia
Pelo menos um instante...

Julho

Blog Salve Cesar

2010, julho 24 - Minha pintura digital "Mesa de bar" foi exibida no blog Salve, César, ilustrando a poesia "O espelho do mar".

Oh, meus irmãos dos bares,
subprodutos cristalizados da vida,
não há mesmo como recusar a bebida,
quando o álcool é bússola maior.
Pobres irmãos, meus irmãozinhos dos bares,
se deixarem de beber,
morrerão do mesmo jeito:
sem espasmos, mas ainda atormentados
pela consciência patética de espantalho.
Oh, meus remendos.
Oh, meus retalhos:
sem nenhum esplendor (da vida),
vocês são a ferida,
o talho.

Blog "Verso e prosa"

2010, julho 08 - Minha pintura à óleo 'Orfeu' foi exibida no blog Verso e prosa, ilustrando a poesia 'Anacoluto' de Dom Quixote.


O meu verso adolescente
é pra você
Torto e sonso
Esse meu verso
Que enviesa quando olha
De soslaio
Se apruma
E faz pose de adulto
Esse verso
Adolescente
Que implica com a sua pose
Implica por não saber
Como lidar com você
Como lhe dar esse verso
Me dar assim pra você
De presente
De repente
Ou relance
Esse verso
Adolescente


2010, julho 06 - Minha pintura digital Toda riqueza provém de violência O poeta Freddy Diblu fez uma releitura da 'Canção do exílio' de Gonçalves Dias.

'Minha terra tem carteiras,
Onde canta o jabá;
As rapinas que aqui rodeiam,
não saqueiam como lá.

Nosso ao céu tem mais estrelas,
Nossas praças têm mais atores,
Nosso zé-povo tem mais lida,
Nessa lida mais "mordedores".

Em chiar, sozinho, ao açoite,
Mais quelelê encontro eu lá;
Minha terra tem carteiras,
Onde canta o jabá.

Minha terra tem no 171 "doutores",
Que tais não encontro eu cá;
Em chiar é sozinho, ao açoite é
Mais quelelê encontro eu lá;
Minha terra tem carteiras,
Onde canta o jabá.

não permita Deus que eu corra,
Sem que me revolte por lá;
Sem que refute os usurpadores
Que não encontro por cá;
Sem quê inda reviste as carteiras,
Onde canta o jabá.'

Blog "Sabedoria"

2010, julho 05 - Minha gravura digital "Mesa de bar" foi exibida no blog "Sabedoria", ilustrando a poesia "Mesa de bar", de Rita Rovai Castellan.

"A mesa do bar
não para de rodar
não é cachaça, é gente a passar
Poetas e mais poetas
Brincantes da noite
Brincando com a noite
Burburinho
Confusão
não
Apenas, paixão
No ar, nas palavras, nas faces, nas risadas
Nas calçadas
Na esperança de uma nova estrada
Que me leve para meu novo eu
Por que esse.... Já se perdeu."

Junho

Blog "Poesias de Nelson Ferreira"

2010, junho 18 - Minha pintura digital "Mesa de bar" foi exibida no blog Poesias de Nelson Ferreira, ilustrando a poesia "Triste passado".

"Oh, moço sente aqui ao meu lado!
não repare, mas Já estou meio embriagado,
as lágrimas que caem do meu rosto,
são por recordar meu triste passado!

A tempos conheci uma garota.
e por ela fiquei apaixonado,
Deus abençoou nossa união.
Hoje vivo na bebida e mal trajado.

Tive um filho com minha amada,
mas no parto ela morreu.
Desnorteado pelo fato acontecido,
em outras mãos este menino cresceu.

Hoje vagando pelas ruas,
vivendo com migalhas de pão,
a procurar por meu filho,
e pedir -lhe o seu perdão.

Por que um homem ama tanto,
E não tem este amor por toda vida?
perde a esperança de tudo,
e entrega seu corpo à bebida?

Preciso encontrar meu filho,
Pra dar a ele um forte abraço,
dizer que quero deixar esta vida,
contar a grande dor que passo.

Falando do passado pra ele,
o homem começou a chorar,
levantou-se da cadeira e disse:
__"Sou seu filho, venha me abraçar!

Eu o perdoo meu velho,
Sua lágrima me convenceu,
Hoje sou um homem honrado,
sei o quanto você sofreu.

Daqui pra frente estaremos sempre juntos,
me formei e sou advogado,
Sou casado e tenho um lar,
e seus netinhos ficarão contentes ao seu lado".

Blog "Lima Coelho"

2010, junho 02 - Minha gravura digital 'Casal III' foi exibida no blog Lima Coelho, ilustrando a poesia 'Na moldura do soneto', de autoria de Freddy Diblu.

'Amor é a incompletude do prazer
Fulgor e inquietude de alma acesa
é virtude de dor, amiúde e coesa
Tem a ver com perpetuidade do ser.

Sus! Mas é furor que produz beleza
Que exala assaz o torpor de felicidade
E se conduz a grandeza na efemeridade
- O que mais faz jus por delicadeza!

O Amor cai bem demais em lua nova
Bem com vinosidade em flux de ais
E com afinidade à meia-luz de alcova.

Ademais, vai além de orgasmos plurais:
é bem de entusiasmos originais, que inova.
Amor? Quem o prova não se satisfaz, jamais!'

Blog "Tuda"

2010, junho - Minha pintura digital 'Mergulho' foi exibida no blog Tuda Pap.el el.etrônico, ilustrando a poesia 'Mergulho', de Plínio Aguiar.

'Abaixo da superfície de arrepio da nesga de mar
Que vejo sentado no sofá na sala na manhã
Devem estar peixes, diversas cores, tamanhos,
Formatos diferentes no padrão de nado e guelras,
Escamados e encourados com listras e pintas
Que não eliminam a possibilidade de desejo.
Abaixo da superfície de arranhões da faixa de mar
Que sinto nos olhos parados estariam começo
E fim, vulcões, serpentes e pentes de sereias
Verdes, o próprio enigma de estar o que poderia
não estar no trocadilho de horas enferrujadas,
dados do polifemo, Ulisses, regressos calados.
Abaixo da superfície de violência de sobra de mar
Que noto entre copas de árvores funciona usina,
Vultos submergindo-se originados de albumina
Mergulhando no verbo pronunciado em encontro
De águas, espuma, sonhos, argila. Guitarras
Emergem surpresas presas à quilha do último beijo.'

Maio

Blog "Valise de cronnopio"

2010, maio 21 - Minha pintura acrílica "Amantes" foi exibida no blog Valise de Cronnópio, ilustrando a poesia "Yo no lo sí de cierto", de Jaime Sabines.

Yo no lo sé de cierto, pero supongo
que una mujer y un hombre
algún día se quieren,
se van quedando solos poco a poco,
algo en su corazón les dice que están solos,
solos sobre la tierra se penetran,
se van matando el uno al otro.

Todo se hace en silencio. Como
se hace la luz dentro del ojo.
El amor une cuerpos.
En silencio se van llenando el uno al otro.

Cualquier día despiertan, sobre brazos;
piensan entonces que lo saben todo.
Se ven desnudos y lo saben todo.

(Yo no lo s de cierto. Lo supongo)

Blog Companhia pesada do improviso

2010, maio 01 - Minha pintura digital Pipa II foi exibida no blog Companhia Pesada do Improviso, ilustrando a poesia "Rap para programa pandorga".

Ser criança é ser livre é ser feliz,
é voar como Pandorga e desenhar de lápis e giz de cera,
é poder falar besteira,
é brincar de ser alguém.
è poder ir a Bahia sem pegar um avião,
é voar como Falcão sem tirar os pés do chão.
Ser Pandorga é ir a Lua ou bem pertinho do Sol,
pés descalços pela rua, jogando futebol.
De Taquara com barbante, Celofane ou jornal,
no mundo da fantasia onde não há nada igual.
Um segura o outro puxa e o vento nos ajuda,
o tempo passa a gente cresce e a Pandorga nunca muda,
continua em nossa vida transmitindo esperança,
em todo o canto do Brasil no sorriso das crianças.


2010, maio - O poeta Freddy Diblu escreveu a poesia 'Excêntricos corruptores', irmã gêmea, mas letrada, desta minha 'Favela'.

'Friiia... ssssom-bria... sorrateiramente!
Sois vós
que sorrides espectros satânicos
lacrimejais peçonhos exóticos
Sois vós
que cuspirdes tributos lancinantes
escarrais juros ebola
Sois vós
que arrotardes peculatos macabros
vomitais verdinhas infectas
Sóis vós
que assoviardes militantes
mercenários
espirrais paus-mandados sectários
Sois vós
que mijardes mísseis aterrorizantes
evacuais borras radioativas
Sois
de quem desabrocham bocas-do-lixo
assanham-se déspotas sanguinários
Sois
a quem enfureçam mãos hediondas
atiçam barbáries gangrenáveis
Sois
por quem sentenciam autos-de-fé
alastram cárceres barras-pesadas
Vós!
quando prostituàstes a paixão
corrompestes o amor
sequestrastes os sonhos
Vós que sois
A b j e t o s
Parasitas, marotos
vermes nas chagas
Só vós
o mau-olhado atroz
a fedentina dos esgotos.'

Abril

Blog "Prosa e verso de boteco"

2010, abril 24 - Minha gravura digital 'Moça nua' foi exibida no blog 'Prosa e verso de boteco', ilustrando a poesia 'Nesta rua', de Zenaide Negrão.

'Nesta rua...
Num tempo primeiro
de primeiros passos
passo a vida em coloridos
ladrilhos de pedrinhas de brilhantes.

Num segundo momento
o tempo do sofrer se faz presente
e a vida se torna cimentada
e junto aos brilhantes
brotam espinhos.

Num último momento do meu tempo
os brilhantes, o sofrer e os espinhos
estão todos reunidos
numa única rua
num único bosque
numa única vida
num único coração.


Solidão...'

Blog "Caos ordenado"

2010, abril 05 - Minha gravura digital 'Procurando na escuridão' foi exibida no blog Caos ordenado, ilustrando o ensaio 'Meia-noite', postado por Martín Langou.

'os inimigos, quando atacam, parecem unir-se no ataque / aparecem todos juntos, de surpresa, ao cair da noite / querendo me pegar no contrapé / testes de firmeza para uma prática forçada e, quiça, maltratada / quando a luz se vai, fica sua ausência, oportuna quando vista como uma passagem / vamos, cavaleiro, que a luta é grande e a vitória só é possível sobre si mesmo / 'um leão por dia', berra a espada, sedenta por mais sangue que se transforma em suor da libertação... de si / instigado para mais luta, relutante quanto à própria força e a brecha no alto do cume do túnel que, por um simples raio de intuição, mostra a aurora Já tão próxima / Ao amanhecer, tudo estará limpo e serei, novamente, eu e Eu, apenas.'

Março

Blog o sonho de uma sombra

2010, março 30 - Minha pintura à óleo "Boteco" foi exibida no blog O sonho de uma sombra, ilustrando a poesia "Filosofia de bêbado".

É, meu amigo,
Cerveja bem,
Campari bem as coisas
E champanhe meu raciocínio:
A vida é Drurys,
Mas dá muitas vodkas;
Eu vinho de longe,
Só com um ponche nos ombros,
Estava kaiser desanimando,
Mas encontrei uma caipirinha
Ao passear no chopp,
E me Amaretto nela.
Seu nome é Natasha e,
Apesar de Já ter 51,
Estou vivendo uma paixão aguardente.
Por isso repito:
Cerveja bem:
Nem tudo é rum,
E sempre pinga
álcool de bom.

Blog "Not cias do sert o"

2010, março 24 - Minha gravura 'Casal III' foi exibida no blog Notícias do Sertão, ilustrando o post 'Poema 'Quase um alento'', de autoria de Graça Graúna e postado por Simone Cabral.

Sonho, acordo e enlouqueço.
Penso: a vida seria desolada
se não houvesse canções de amor.
não digo, só penso:
você é quase o meu alento
ou quase tudo que eu quero
Vamos deixar o nosso nome na porta
viver o momento
e seguir a canção.

Blog "O imaginário"

2010, março 20 - Minha gravura digital 'Ninfa' foi exibida no blog O imaginário, ilustrando a poesia 'Soneto para o Dia Mundial da Poesia', de autoria de Márcia Sanchez Luz.

'Vem pra cá, minha Poesia!
Diz o que devo fazer
durante estas noites frias,
quando é difícil viver!

Traz de volta o som que havia
nas notas do alvorecer,
nos semitons de outros dias
que me faziam vencer

manhãs de rondas infindas
(entre emoções e razões)
dentro de meu existir.

E assim o dia que brindas
será de intensas paixões
num corpo inteiro a sorrir.'


2010, março 12 - Minha pintura acrílica 'Leda' foi publicada no blog 'Recanto das Letras', ilustrando a poesia 'Ritos de passagem', de Jorge Luis da Silva Alves (fragmento)

'Agora batizada no fogo das vontades, Valéria abriu-se, farfalhante, para o céu sem lume, exigindo na soberania dos seus novos desejos:
"Vem, que eu quero você."
Principesco, real, o cisne deslizou nas águas escuras da incerteza futura, abarcando Valéria para a gloriosa viagem das revelações.'

Fevereiro

blog inutil paisagem

2010, fevereiro 24 - Minha pintura digital "Moça dormindo" foi exibida no blog Inútil paisagem, ilustrando a poesia "Repouso".

Calado soa o silêncio
colado ao meu ouvido
- zumbido.
O som soa coado
- silêncio.
O som coado dobrado
- ressoa.
Repousa o espaço entre
- parado.
Nem futuro, nem passado
- presente.
De movimento ressente
o tempo estagnado.
A mente sente e atalha
- trabalha.
O corpo relaxa e pousa
- repousa.

Blog vicios poeticos

2010, fevereiro 23 - Minha pintura digital "Moça dormindo" foi exibida no blog Vícios poéticos, ilustrando a poesia "Noite de sonho".

Ela acreditava, sonhava
questionou ele
deu risada, gargalhada

Planejando um futuro
pelo qual desconhecia
sem saber se existia

Sem saber de nada
há tanta magoa
não neste mundo

ilusório, fantasioso
mas no verdadeiro
sem grande amor

No real sem ficção
sem ilusão
sem historia com final feliz

No vazio ,no nada
ele não a queria
nem ela o amaria

Era tudo ficção
de uma noite de sonhos
de um sono profundo

Quando acordou
voltou se a rotina
ele nem mais existia.

Blog "Eme Nguimba"

2010, fevereiro 02 - Minha pintura digital "Casal III" foi exibida no blog Eme Nguimba, ilustrando a poesia "sabe Deus a razão do amor".

"a semente doce sorridente
os sábios Os beijos
mexe e mexe mais a alma contente
os sentimentos são tormentos?
é iminente a cor da felicidade
oh Lua o desenho nos olhos brilhantes
toca e toca mais
a doçura à surra mental afinal
no ponto cantante
o amor é também racional
no ponto geométrico
mas obcecados os beijos e carícias
no ponto dançante
então que seja assim Deus é Poder
a semente doce sorridente
ama e ama mais a vida
divina é a vida
roça que roça a Magia
quanta alegria
abençoado beijo e seja Deus
A ponte do desejo"

"Eu passarin", blog

2010, janeiro 30 - Minha pintura à óleo "Menina escolhendo feijão" foi exibida no blog Eu passarin, ilustrando a poesia "Poesia incidental II".

Uma unha no asfalto
ainda vive
arranha.

Um pneu solitário
sai da estrada
grogue.

(assim é morrer?)
um quase olho
fechado
sonha.

Do alto
- e acima de qualquer poema -
corvos espreitam
o inevitável.

Blog "Graça Graúna"

2010, janeiro 26 - Minha pintura digital 'Casal III' foi exibida no blog Graça Graúna, ilustrando a poesia 'Quase um alento', de Graça Graúna.

'Sonho, acordo e enlouqueço.
Penso: a vida seria desolada
se não houvesse canções de amor.

não digo, só penso:
você é quase o meu alento
ou quase tudo que eu quero.
Vamos seguir a canção
e deixar acontecer.
"Pra quê rimar amor e dor?"

você é quase meu alento
Vamos deixar o nosso nome na porta
e seguir a canção.'

Blog "Aquela menina com a flor"

2010, janeiro 24 - Minha pintura digital "Poeta meditando" foi exibida no blog Aquela menina com uma flor, ilustrando a poesia de Carlos Drummond de Andrade.

Blog "Prosas da Amaz nia"

2010, janeiro 02 - A gravura digital 'Mesa de bar' foi exibida no blog Prosas da Amazônia XXI, ilustrando a poesia 'Amigo meu', de autoria de David Carneiro.

'Sei que tu erraste e erraste feio amigo meu
E que, como um menino, vais pedir perdão
Como entre prantos segues para tua amada
Que te diz agora em desengano
Preferir a tudo a solidão

Amigo meu qual foi teu crime?
Artigo 115: Apaixonar-se por outro alguém
não te renego e nem te julgo
Pois eu te confesso mau adulto
Já sofri de amor também

Agora sei que te reviras na tua cama
E que um nome chama quando não crê
Que tu fizeste por uma lira

Enfeitiçado por uma gira
Teu grande amor tanto sofrer

E eu que te olho e nada falo
Fico calado, sentindo a dor do teu penar
Que hoje anda errado e anda errante
Na busca ingrata e incessante
De um tão distante perdoar

E este mundo que agora tanto fala
Que só te julga e te condena por traição
não carrega metade do amor que arde
Calado e doído
Dentro do teu coração.'